bowie2David Bowie morreu esta madrugada, aos 69 anos, depois de uma batalha de 18 meses contra o cancro.

Ícone de música, de estilo e de cultura. David Bowie surgiu como um adolescente mod, um movimento do final dos anos 1950 e 1960, com visual clássico, e tornou-se uma das personalidades da música e da cultura pop mais "à frente" no mundo da moda, escreve a revista Dazed and Confuse, que identifica os cinco momentos “mais radicais” e “destemidos” de Bowie. Foi mod, hippie, glam-rocker.

A androginia, elemento forte no mundo da moda (com um regresso em força nas últimas temporadas), começou a ser explorada por David Bowie na juventude. Na capa do álbum The Man Who Sold The World (1970), Bowie, de cabelos compridos, aparecia de vestido e botas altas, deitado num sofá. "Há uma coisa muito importante que tem a ver com a relação entre feminino/masculino, quando um homem percebe esse balanço e convive bem com o seu lado feminino, aceita-o. Isso também acho fundamental", diz o criador de moda Filipe Faísca ao PÚBLICO sobre este elemento na vida de Bowie.

"Bowie estreitou fronteiras que, agora, são a realidade", comenta Suzy Menkes, influente editora da Vogue Internacional sobre a fluidez de género na moda e o legado de Bowie. "Muito do que vejo nos desfiles de colecções masculinas de hoje pode ser associado a Bowie e à sua atitude em relação à sexualidade. O seu grande legado na moda é que a controvérsia que começou acerca da definição sexual através da roupa já não é questionada no século XXI", conclui Menkes.

Clare Waight Keller, directora criativa da Chloé, frisa a "enorme influência" de Bowie na "indústria da moda no geral". "Ele foi o verdadeiro pioneiro" de todo o movimento andrógino, realça, destancando a forma como trabalhava a imagem e de como a imagem era uma parte importante da sua mensagem. Bowie "usava isso para criar personagens diferentes, para trazer algo único, não só lúdico mas inspirador e intensamente criativo", diz Keller no jornal especializado Women's Wear Daily (WWD) esta segunda-feira.

Enquanto Ziggy Stardust, o cantor utilizou macacões justos, com padrões excêntricos e tecidos brilhantes, cabelos laranja brilhantes, muito glitter, botas com plataforma. Nesta fase, os seus conjuntos utilizados nas digressões eram da autoria do designer japonês Kansai Yamamoto, “cujas criações arrojadas e inovadoras ajudaram a fortalecer a reputação de Bowie como figura que desafia a norma”, diz a Dazed.

Nos seus espectáculos, o artista abusava dos padrões, da maquilhagem forte (uma das características de Aladdin Sane, o álbum de 1973). A figura de “pirata extravagante”, onde conjugava peças e padrões e utilizava uma pala no olho, continua a publicação, tornou-se imagem de marca em meados dos anos 1970. Usou fatos de uma só cor, em versão amarelo-mostarda, azul-bebé, amarelo claro, verde-água. Como Thin White Duke, escolheu visuais elegantes, com calças pretas, camisa branca e colete.                                                      

  fonte:Por Life&Style

Topo